quarta-feira, 13 de junho de 2007

Grupo português Martifer investirá em óleos vegetais no Maranhão

A Prio, empresa do grupo português Martifer, vai investir R$ 180 milhões na produção de óleos vegetais no Maranhão. O produto será destinado à indústria de biodiesel na Europa.

por Franci Monteles, Gazeta Mercantil


SÃO LUÍS, 12 de junho de 2007 - A Prio, empresa do grupo português Martifer, vai investir R$ 180 milhões na produção de óleos vegetais no Maranhão. O produto será destinado à indústria de biodiesel na Europa. A produção, prevista para iniciar dentro de dois anos, é da ordem de 200 mil toneladas por ano.

O projeto inclui o plantio de soja e girassol, além da construção de uma usina para a extração do óleo. O empreendimento deve gerar aproximadamente 1,5 mil empregos, entre diretos e indiretos, no projeto agrícola e industrial. O investimento no estado vai contribuir para dobrar a produção da Prio na Europa. O plantio, a ser iniciado até o final deste ano, vai envolver investimentos também no valor de R$ 180 milhões ao longo dos próximos cinco anos.

Este é o primeiro investimento do grupo português no Brasil. A opção pelo Maranhão, segundo o administrador da Prio, Antônio Martins, decorre das vantagens competitivas do porto do Itaqui, localizado em São Luís, e da vocação natural para a agricultura.

A usina de extração de óleo já tem local para instalação, no Distrito Industrial de São Luís, próximo ao Porto do Itaqui, por onde vai ser realizada a operação de escoamento. A empresa também já adquiriu algumas áreas para realizar o plantio. São terras localizadas nas regiões do Baixo Parnaíba e em Balsas, Sul do estado. O projeto agrícola prevê uma área total plantada de 50 mil hectares, entre soja e girassol, de acordo com Martins.

Empresas

O grupo europeu Martifer, que possui quarenta empresas, entre as quais a Prio, atua nas áreas de construção civil, fabricação de equipamentos para geração de energia eólica e solar, shopping centers e geração de energia eólica. Possui ainda duas usinas de biodiesel - uma em Portugal e outra na Romênia. Outras usinas estão em construção.

Mesmo sem fechar a cadeia do biodiesel, já que o projeto maranhense deslancha até a extração do óleo, a Prio reforça o grupo de empresas atraídas para o estado com o objetivo de investir em biocombustível.

No momento, outras duas empresas - a Brasil Ecodiesel e a Bioma - também instalam projetos destinados à extração de óleo e produção de biodiesel no Maranhão.

Para o secretário da Indústria e Comércio do Maranhão, Júlio Noronha, o investimento do grupo português é o reconhecimento das vantagens competitivas do estado. "O Maranhão é uma das mais importantes fronteiras energéticas do País", avalia Júlio Noronha.

Congresso

Esta semana, a Embrapa Meio-Norte promove em Teresina, no Piauí, o Congresso Internacional de Agroenergia e Biocombustível, com participação do governador do Maranhão, Jackson Lago, e do staf da Secretaria de Indústria e Comercio. O evento tem por objetivo difundir as políticas nacional e regional de agroenergia e biocombustível. São parceiros do congresso o Sebrae e governos do Piauí, do Maranhão e do Tocantins.

5 comentários:

Teko disse...

Boa tarde,
Este Congresso será muito interessante, gostareia muito de paticipar...já q é de riquesas para o Maranhão.
sem mais,
Jailson-TST MA

Teko disse...

E este congresso trará muitos conhecimentos...muito bom!!!!
Jailson-tst

Teko disse...

Boa tarde,
Este Congresso será muito interessante, gostareia muito de paticipar...já q é de riquesas para o Maranhão.
sem mais,
Jailson-TST MA

Teko disse...

Boa tarde,
Este Congresso será muito interessante, gostareia muito de paticipar...já q é de riquesas para o Maranhão.
sem mais,
Jailson-TST MA

Teko disse...

Boa tarde,
Este Congresso será muito interessante, gostareia muito de paticipar...já q é de riquesas para o Maranhão.
sem mais,
Jailson-TST MA