terça-feira, 18 de setembro de 2007

Brammo - Evolução da espécie

A pioneira motocicleta elétrica Enertia, feita pela empresa americana, tem baterias de alto rendimento, que garantem maior autonomia e ajudam a reduzir o peso total

por Téo Mascarenhas - Estado de Minas, 9/9/2007


As exigências ambientais, a escassez e o preço do petróleo vão acelerando o desenvolvimento de veículos equipados com motores elétricos ou movidos com combustíveis alternativos. A eletricidade, porém, ainda esbarra no grande volume e peso, além de baixa autonomia das baterias, seu principal calcanhar-de-aquiles. A empresa Brammo, fundada em 2002, sediada em Ashland, Oregon, Estados Unidos, quer mudar a história, lançando a primeira motocicleta elétrica comercial do mundo (até então, só os scooters eram "eletrificados"), batizada de Enertia, que chega com alguns avanços.

A Enertia tem visual e posição de pilotagem de uma motocicleta convencional. No lugar do tanque, entretanto, estão alojadas seis baterias individuais de lítio/fosfato de alto rendimento, desenvolvidas pela americana Valence Technologies. Essas baterias dispensam manutenção e conseguem a mesma carga útil nas recargas, que podem ser feitas em apenas três horas em tomadas comuns. Para gerenciar as seis baterias, foi desenvolvido um programa, denominado Battery Management System (BMS), que eqüaliza as cargas e o consumo de cada uma, facilitando também a recarga.

Desempenho
Para equilibrar o peso das baterias, o quadro da Enertia é construído em fibra de carbono, de perfil retangular, e pesa somente 7,2 kg. As baterias são fixadas nele, rebaixando também o centro de gravidade. O peso total da moto é de 124 kg. A nova Enertia é absolutamente silenciosa e nem escapamento tem, já que não emite poluentes. Segundo a Brammo, é capaz de acelerar de 0 a 50 km/h em 3,8 segundos. Um desempenho razoável para o trânsito urbano, sua verdadeira praia. A autonomia é calculada em 73 quilômetros. A suspensão traseira é do tipo mono e a dianteira telescópica.

A velocidade máxima é de 81 km/h, condizente com o fluxo de trânsito das grandes cidades. Enertia está equipada com transmissão final por corrente, fazendo a ligação entre o motor elétrico e a roda traseira. Os freios são a disco, com pinças da grife Brembo. As rodas são raiadas, com aros de alumínio Excel. O painel tem velocímetro e quadro com as informações da carga de eletricidade. Para pilotar, mais uma comodidade: sem câmbio, basta acelerar e frear. Os espelhos ficam nas pontas do guidão. A comercialização da Enertia está prevista para o início de 2008, por cerca de US$ 12 mil (R$ 23.700).

Um comentário:

Alexandre disse...

Agradecemos à colaboração de Roberto Devienne Filho, que indicou a notícia ao blog.

=)